notícias

CIDADES DO INTERIOR

CIDADES DO INTERIOR

01

abril

Mais de 746 mil pessoas enfrentam desabastecimento Muitas pessoas relatam que nem recordam da última vez que tiveram água na torneira em suas casas  Em Acopiara, no Centro-Sul do Ceará, os moradores enfrentam irregularidade no sistema de abastecimento há pelo menos 60 dias ( FOTO: HONÓRIO BARBOSA )
Salitre/Acopiara. O Ceará enfrenta a pior seca das últimas cinco décadas. Já são cinco anos consecutivos de chuva abaixo da média. Trinta cidades enfrentam atualmente restrição de abastecimento de água, conforme a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). São mais de 746 mil moradores afetados. O número pode ser maior porque há cidades com sistema administrado por Serviços Autônomos de Água e Esgoto (SAAE).

Onde captar água para tratar e distribuir aos moradores das áreas urbanas? A maioria dos açudes e poços está secando. Dos 153 reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hidrícos (Cogerh), 124 estão com volume abaixo dos 30%. A criticidade é tamanha que atividades simples, como lavar louça ou roupas, se tornam complicadas para famílias dos centros urbanos.

"Faz muito tempo que eu não sei o que é lavar uma louça com a água escorrendo da torneira", conta a agricultora Maria Aparecida Custódio, residente na cidade de Salitre. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Rurais, parte da população do Município, com pouco mais de 16 mil habitantes, "nunca teve água encanada nas casas". A cidade é uma das 30 que atualmente enfrentam problema de restrição de abastecimento de água.

Em Acopiara, na região Centro-Sul do Ceará, os moradores enfrentam irregularidade no sistema de abastecimento há pelo menos 60 dias. Bairros da periferia e áreas mais elevadas são as que mais sofrem com a escassez. É preciso acordar cedo ou esperar à noite pela chegada da água nas torneiras.

A adutora do Açude Trussu, em Iguatu, inaugurada em dezembro de 2013, não dá vazão suficiente para atender a demanda de Acopiara. É preciso ampliar a rede de canos por um diâmetro maior. O agricultor Roberto Freitas, morador do bairro Moreira, lembra que a água demora a chegar nas torneiras. "A gente já passou três, quatro dias, sem água". A queixa é geral. Quem não tem caixa elevada ou outro reservatório em casa, enfrenta maiores transtornos.

Uma das piores crises de desabastecimento do Interior do Ceará ocorre no Sertão Central e é enfrentada pelos moradores de Boa Viagem. Duas dezenas de carros-pipa captam água em Tauá e de Independência, percorrem mais de 100Km para tentar amenizar a escassez na área urbana. "Os açudes que abasteciam a cidade secaram e os poços profundos não apresentam vazão", disse o coordenador da Comissão Municipal de Defesa Civil (Cedec), Marton Carvalho.

A água é despejada em cisternas e os moradores fazem fila e tentam desesperadamente encher baldes e latas. Em Boa Viagem, o sistema de abastecimento fica sob a responsabilidade do SAAE. "A situação é de desespero, é uma tragédia", disse Carvalho. O esforço é para atender nove mil moradores, mas a cidade tem 31 mil.

Segundo o superintendente da Cagece, Jacinto Leal, nas cidades em situação mais crítica, o órgão tem realizado ações em parceria com a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) e a Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra). Ele destacou a instalação de adutoras de montagem rápida, perfuração de poços ou abastecimento por carro-pipa como alternativas. No ano passado, mais de 850 poços foram perfurados.

O superintendente explica que, no período de contingência, a população chega a ficar sem água por até quatro dias. "Depende da cidade. Algumas recebem água dia sim, dia não. Outras, a cada dois dias e, em casos extremos, quatro dias. Ele ilustra que, em situações normais, a média de consumo por pessoa é de 150 litros/dia. Em emergência, cai para 30 l/dia. (Diário do  Nordeste)

visitante

4 1 4 7 1

envie seu comentário...

Opps! preencha corretamente os dados

enviar

peça seu som...

Opps! preencha corretamente os dados

enviar